REVIEW – THAEME & THIAGO – PERTO DE MIM

Nunca uma demora na postagem de um review acabou sendo tão prática, ainda que sem intenção. Este disco foi lançado lá no começo do ano e ainda estava aqui na minha pilha de trabalhos a analisar ainda em 2013. Aí, de repente, veio a surpresa: a dupla Thaeme & Thiago passaria por uma mudança de formação. O Thiago Servo saiu para se dedicar a um projeto que ele mesmo classificou como mais “picante”, o que de fato vem se comprovando através das músicas que ele tem lançado nos últimos dias. Na segunda-feira foi anunciado o nome do seu substituto: Guilherme Bertoldo, ex-Tradição.

A saída do Thiago Servo do projeto acabou inevitavelmente fazendo como que este último disco da primeira formação fosse analisado de uma forma um pouco diferente. O principal argumento dado para justificar a sua saída foi o fato de ele querer se dedicar a um estilo de música e a Thaeme a outro. Acontece que este último disco traz toda a carga musical do Thiago Servo. Ele assina 11 das 12 músicas do disco e ainda a co-produção ao lado do Laércio da Costa, fora a co-criação de quase todos os arranjos. Ora, se o Thiago saiu do projeto mesmo tendo, pelo menos neste último disco, sido o principal responsável pela sonoridade da dupla, alguma coisa ficou meio mal explicada. A demora na postagem deste review vai acabar servindo, portanto, pra tentar elucidar os reais motivos da saída.

Algumas pessoas apontam como elemento negativo o fato da dupla já ter sido formada na base de um grande escritório e montada exclusivamente para atender a uma demanda e preencher um nicho de mercado que tinha diversas vagas em aberto (o da dupla de casal, que tinha apenas Maria Cecília & Rodolfo como produto de peso). Isso inevitavelmente desagrada aquela parcela de admiradores do gênero sertanejo acostumados com duplas formadas a partir de uma delicada história de vida. Se for um dramalhão quase mexicano, melhor ainda. Boa parte das duplas da era universitária acabou inclusive sofrendo rejeição no começo justamente por não ter passado por uma quantidade “suficiente” de sofrimento, como as duplas mais tradicionais. Imaginem então Thaeme & Thiago, que já começaram como produtos de um dos maiores escritórios do Brasil, com toda a infraestrutura pronta?

Acontece que, por menos aceitável que isso seja na cabeça de uma parcela do público, ilegal não é. Afinal o principal elemento que faz com que uma dupla agrade é a música que ela produz e não a quantidade de tomates que ela plantou, né? Então não dá pra desconsiderar a dupla só por conta desses elementos. A Thaeme, mesmo não sendo tão familiarizada com o gênero sertanejo (o que também é motivo para mais críticas daquela mesma parcela do público), tem um grande e reconhecido talento e se adaptou muito bem ao segmento. O Thiago Servo, por sua vez, é um compositor renomado no circuito sertanejo. Juntar os dois pareceu uma ótima ideia, como foi se comprovando desde que a dupla começou os trabalhos. Tanto que, neste formato de casal, Thaeme & Thiago são hoje a dupla mais atuante. E isso não dá pra negar.

A tendência óbvia era que a dupla começasse com o tempo a assumir as próprias rédeas, pelo menos na parte musical. Por isso, nada mais natural que o Thiago puxar para si a responsabilidade da produção do novo disco. Era a oportunidade perfeita para consolidar a identidade musical da dupla e demonstrar certa independência, para eliminar de vez a alcunha de “mero produto” e de “dupla forçada” que alguns ainda teimavam em utilizar. E o resultado acabou se mostrando bastante satisfatório.

O disco “Perto de Mim” tem momentos incríveis como o da música “Sinto Saudade”, belíssima, da “Deserto”, que além de tudo contou com um belo videoclipe, e “Hoje não”, bastante ousada na parte harmônica e que ainda por cima traz a participação do Luan Santana.

É claro que o Thiago, mesmo assinando tudo o que eu já mencionei mais acima, não pode levar sozinho todo o crédito. Na produção, temos o Laércio da Costa, que é sem dúvida um monstro da música. E algumas músicas ainda trazem nomes de enorme competência na composição, como a Paula Mattos e a Silmara Nogueira, antigas backing vocals da dupla. A Paula é hoje talvez a compositora mais forte de um mercado dominado por homens. Mesmo assim, pelo menos de acordo com o encarte do CD, o disco é Thiago Servo puro. Ora, se foi ele o responsável pelo som da dupla neste disco, por que quis sair então?

Talvez seja exagero o que vou dizer, mas não deixa de fazer sentido. Pode ser que a resposta para essa pergunta esteja em uma única música, que, mesmo tendo sido gravada pela dupla depois do DVD e acumulado mais de 4 milhões de views no Youtube, não foi sequer incluída neste disco: “Foi daquele jeito”. Aquela música, mesmo não trazendo o Thiago Servo na composição, tem todos os elementos que ele disse querer defender a partir de agora, depois de sua saída do projeto. E a exclusão dela do repertório da dupla, tornando a mesma uma música sem disco, é talvez a melhor demonstração possível da divergência de opiniões que aparentemente já pairava sobre eles.

E realmente foi bem esquisito ouvir a Thaeme cantando “foi tapa na bunda, na cara, puxão de cabelo na cama no chão e no banheiro…“. A imagem que até então o público tinha dela era de mocinha angelical. Talvez seu momento mais ousado tenha sido na música “Tcha tcha tcha”. Mesmo assim, “Foi daquele jeito” foi uma ousadia ainda maior, uma teste para ver se a dupla funcionaria com um repertório ainda mais, nas palavras do Thiago Servo, “picante”. Nem deu tempo de ver se funcionou, pois logo a música foi lançada por outro artista recém chegado no escritório – Lucas Lucco – e ainda com a participação da dupla Fernando & Sorocaba, o que pareceu muito mais uma tentativa de abafar a versão da dupla Thaeme & Thiago, talvez pelo excesso de ousadia. Aparentemente, nesse caso o Thiago Servo acabou sendo voto vencido.

O disco “Perto de Mim” não traz momentos tão ousados assim na set list. Pelo contrário. Mesmo nas músicas mais agitadas, a opção foi por uma linha menos agressiva. “Só pra te pegar” talvez tenha sido a mais próxima daquela linha, mas não se compara à “Tcha tcha tcha” e muito menos à “Foi daquele jeito”. Talvez tenha sido esse o estopim da saída do Thiago Servo: o fato de a dupla caminhar aos poucos para uma linha mais light. Um novo DVD já estava em fase de produção, com data de gravação marcada e tudo mais. A saída, entretanto, aconteceu antes que o disco fosse gravado, talvez justamente pelo Thiago Servo ter percebido que a dupla não iria mesmo para a linha que ele pretendia seguir.

Como último projeto do Thiago Servo na dupla Thaeme & Thiago, “Perto de mim” acabou sendo um disco aceitável. Não é uma obra-prima, claro, mas valeu como despedida. A dupla anunciou em coletiva o nome das possíveis músicas de trabalho da nova formação. A julgar pelos nomes, “Cê endoidou, foi” e “Cafajeste”, parece que a dupla ainda vai carregar, pelo menos por um tempo, o legado deixado pelo Thiago Servo. Mas eu particularmente acredito que a tendência agora é tornar o repertório da dupla cada vez mais feminino, com uma tendência para o romantismo, este sim o lado forte da dupla, a julgar por “365 dias”, “Sinto Saudade” e outras. A tentativa de se tornar um pouco mais independente com o disco “Perto de Mim”, o que é louvável, acabou dando em nada, já que o cara que defendeu a ideia saiu. A dupla volta, pelo menos por enquanto, a depender do Fernando na parte musical. Aguardemos os próximos projetos para ver o que pode vir de diferente.