As últimas do lê lê lê

    Se antigamente o artista só se envolvia com a parte criativa da carreira, hoje é raro encontrar músicos que não atuem também nas questões administrativas. A dupla João Neto & Frederico é um exemplo disso. Todas as estratégias criadas para gerir a carreira da dupla é desenvolvida – direta ou indiretamente – pelos irmãos, sempre ao lado do escritório Workshow. Talvez por isso eles estejam entre os sertanejos que menos apostam no óbvio. Um exemplo? Os locais onde costumam gravar seus DVDs. Nada de São Paulo, Campo Grande ou Goiânia. Em uma década de carreira, os irmãos gravaram três DVDs – em Ribeirão Preto, Quirinópolis e Palmas. Ou seja: praças com menor apelo para a música sertaneja.

    Segundo a dupla, esse é realmente o segredo. “Por conta do ineditismo (nenhuma dessas cidades havia sediado gravações de DVDs antes), esses shows atraíram um grande e entusiasmado público, o que foi ótimo para as gravações. Mas existe ainda um motivo muito importante para esta decisão: quando optamos por uma cidade fora do eixo sertanejo (formado por São Paulo, Paraná, Minas e o centro-oeste), consequentemente criamos novas praças para explorar a venda de nossos shows”, comenta João Neto.

    É verdade que os custos de logística e produção em cidades como essas podem ser maiores. Mas nem isso é motivo para desanimar a dupla, que em dezembro quer novamente gravar um DVD em uma cidade que nunca sediou um evento desse porte: Vitória, no Espírito Santo. “O capixaba descobriu de vez a música sertaneja. Nada melhor do que popularizar ainda mais nosso nome no estado”, avalia Frederico. O show a ser registrado em vídeo está agendado para 5 de dezembro e já tem até participações confirmadas: Cristiano Araújo, Henrique & Juliano e Fernando & Sorocaba.

    Até lá, João Neto & Frederico continuarão divulgado “Indecifrável”, disco de estúdio lançado em setembro deste ano. Para a dupla, soltar dois projetos num curto espaço de tempo surte efeito. “Usamos o CD como laboratório. Pinçamos algumas músicas, trabalhamos nas rádios e testamos as que tem mais aceitação junto ao público. São essas que inserimos posteriormente no DVD para usá-las como single e também para não deixar o repertório focado apenas em hits antigos. Não gostamos muito da ideia de experimentar músicas novas na gravação de um DVD”, explica João Neto.

    MUDANÇA DE MERCADO

    Em 2013, músicas com refrões onomatopeicos rarearam na música sertaneja e as baladas românticas voltaram a dominar a programação das rádios. João Neto & Frederico, uma das primeiras duplas a emplacar uma música do estilo, “Le Le Le”, faz uma mea culpa por conta da infestação de canções parecidas. “Optamos por esta música porque tinha características dançantes, não pelo refrão em si. Porém, a quantidade de gente copiando essa pegada deixou a música sertaneja um pouco maçante e repetitiva. Ainda bem que isso já mudou e artistas que só sabiam fazer aquele tipo de música foram esquecidos. Não vejo problema em se gravar uma canção do tipo, desde que o artista seja versátil para também cantar baladas e modões”, explica Frederico.